domingo, 16 de dezembro de 2012

À vocês,

"Não escolhemos tudo aquilo que nos é apresentado na trajetória de nossas vidas, mas temos de escolher se aquilo permanecerá, se continuaremos a cativá-lo, se nos relacionaremos intensamente próximos ou se simplesmente o ignoraremos. Podemos nos fechar para tal ou nos permitir estar abertos para a experiência de realizar um contato que pode ser grandioso, intenso, prazeroso e constituintes de sentidos. Nesse contato, compartilhamos dezenas de coisas, aprendemos muito, mas também ensinamos. Esse contato, genuíno, verdadeiro, muda-nos, torna-nos diferentes e, assim, vai mudando, vai construindo a nossa história.
Refiro-me a elas, às pessoas e tudo aquilo que são capazes de proporcionar nesse contato. E às pessoas agradeço pela oportunidade!
Ao lembrar daqueles momentos, fico contente de saber que os conheci. Agradeço a vocês. Agradeço pelo convite, pelo acolhimento, pelas aprendizagens, pela amizade.
Mudamos. Nós nos tornamos pessoas diferentes e isso faz toda a diferença hoje."

(Jones Barreto Corrêa)
*Texto escrito aos colegas de faculdade, mas com certeza faz-me lembrar de muitos amigos.

Inteiras

"Quem sabe se pararmos para perguntar quem elas são, quem sabe se procurarmos, não o 'por quê?', mas como elas vivem e como elas estão, assim, caminhando junto a elas, com paciência e respeito, talvez possamos tocá-las por inteiro. Estas, quando sentem, não sentem pela metade, na superfície ou de qualquer forma. Elas não sentem nem dentro nem fora. Elas sentem 'tudo' e sentem assim, não porque podem sentir muitas coisas, mas porque são pessoas e pessoas, como elas, são inteiras".

(Jones Barreto Corrêa)

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

"(...)Aceitei contradições,
lutas e pedras

como lições de vida
e delas me sirvo.
Aprendi a viver."



(Cora Coralina)

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Quando menos se merece

"[...] É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chope é gelado. Nos cafés, após o cinema, quando se pode filosofar sobre o enredo e as personagens com fluência, um bom cappucino e pão de queijo quentinho. Nos corredores dos shoppings, quando se divide os novos sonhos de consumo, imediato ou futuro. É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nos encontros erotizados, nas festas agendadas no calendário do de vez em quando.

Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E se vitimiza. E perde o charme. O prazo. A identidade. A coerência. O rebolado. Difícil amar quando o outro fica cada vez mais diferente do que habitualmente ele se mostra ou mais parecido com alguém que não aceitamos que ele esteja. Difícil é permanecer ao seu lado quando parece que todos já foram embora. Quando as cortinas se abrem e ele não vê mais ninguém na plateia. Quando até a própria alma parece haver se retirado [...]"


(Ana Jácomo - Quando menos se merece)

domingo, 17 de junho de 2012


"Diria eu que o homem realmente quer, em derradeira instância, não é a felicidade em si mesma, mas, antes, um motivo para ser feliz".
(Viktor Frankl, 1990).

Qual é o sentido de nossas vidas?

domingo, 27 de maio de 2012

"Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida.É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina."
(Cora coralina)

quinta-feira, 24 de maio de 2012

“Amor para mim é exatamente isto. Ser capaz de permitir que aquele que eu amo exista como tal, como ele mesmo. E isto supõe mortes em mim. Se eu permito que o outro se expresse tal qual ele é, isso é o mais pleno amor. Dar liberdade dele existir do meu lado como ele é. Este é o tal amor incondicional. Isto é muito difícil, porém a experiência é interessante demais – os erros e os acertos. Amor é muito interessante, é o embate. Pode sofrer de tudo menos de tédio porque não há como ter tédio. Amor é muito divertido, é muito complicado”.
(Adélia Prado)

sábado, 10 de março de 2012

"Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o Sul. Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando.
Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos. E foi tanta a imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza. E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai: - Me ajuda a olhar!"
(Eduardo Galeano)
"(...)É isto que amamos nos outros: o lugar vazio que eles abrem para que ali cresçam as nossas fantasias. Buscamos, no outro, não a sabedoria do conselho, mas o silêncio da escuta; não a solidez do músculo, mas o colo que acolhe...
Como seria bom se as outras pessoas fossem vazias como o céu, e não tão cheias de palavras, de ordens, de certezas. Só podemos amar as pessoas que se parecem com o céu, onde podemos fazer voar nossas fantasias como se fossem pipas..."
(Rubem Alves)
"Eu sou essa gente que se dói inteira
porque não vive só na superfície das coisas."

(Marla de Queiroz)

Visitantes Online