sexta-feira, 29 de abril de 2011

Do pronome "nós".


Crescimento começa por dentro,
Mas também se cria por fora.

Não nascemos sós,
Nem morremos sós.
Somos sempre do pronome "nós".

Você me ensinou a falar.
Ensinou-me também a dizer.
Mais um pouco, a refletir.
Então, a perceber.
 Uma mistura maluca!
um pouco de eu, mas também de você.

Porque dentro de cada um de nós,
tem sempre algo de dentro
e sempre algo de fora.

Deixei um pouco de mim,
mas levei um pouco de ti.
Por que a vida é assim?

Vivo atrás de você.
Talvez, sem saber...
Você vive atrás de mim.

Com você eu cresci,

Porque, talvez, a vida é assim...
Eu com um pouco de você,
Você com um pouco de mim.


(Jones Barreto)

terça-feira, 19 de abril de 2011

Levarei comigo. [*]


Muitos textos tenho lido.
Muita música por aí.
Suei tanto na correria.
Por lugares eu passei,
Onde nunca pensava ir.

Escrevi até que meus dedos calejassem.
Sofri muito sem saber aonde ir.

Mas, uma coisa eu sei que vou levar para sempre.
Não são livros nem tecnologia.
Não são vídeos. Não são jogos.
 Nem as poesias de cada dia.

Pra ser sincero,
Vou levar coisa melhor...
Levarei a amizade.
Das pessoas que de verdade eu conheci.
Que de momentos fiz um grande encontro.
Tanto alegres,
Quanto hostis.
Que de palavras fiz um grande amigo.
Levarei cada rosto,
Levarei cada sorriso.


(Jones Barreto)

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Simples conclusão. [*]


Pois, então, cheguei a um simples conclusão.
A esperança é realmente a última que morre,
E que a vida não tem sentido sem um pouco de emoção.

Dei a volta ao mundo à procura de alguma coisa que fizesse a diferença.
Encontrei morte,
Encontrei corrupção.
Encontrei hipocrisia.
Encontrei destruição.

Mas, uma coisa eu encontrei,
Que me fez continuar.
Foi a conquista da paz,
e a amizade que muitas pessoas sabem cultivar.

Foi o grito de "eu te ajudo",
que um desconhecido me disse,
quando eu não queria mais andar.
Foi a sinceridade,
Que me fez continuar.

Assim, cheguei a uma simples conclusão.
Mesmo com a mais intensa das fomes.
Mesmo com a mais intensa das sedes.
Há sempre a esperança,
de que a vida pode mudar.
Que o sentimento reside em nós.
O amor.
E é isso,
que me dá força pra continuar. 


Jones Barreto

sábado, 2 de abril de 2011

Nas palavras diversas... [*]


Cegos, surdos...
não enxergam, não escutam.
não veem o que eu vejo, não escutam o que eu ouço.
não podem ver o que, algumas vezes, olhos e ouvidos denunciam.

É aqui que eu me engano e entendi.
Eles podem perceber e muito mais compreender.
Talvez, 
muito mais além do que se vê.

Nem melhores nem piores.
Simplismente, falam, escutam e percebem...
de um jeito que é bem particular.

Não julgam pela sua cor nem pelo seu estilo.
Não escutam preconceitos nem falsidades.
Julgam, simplismente, por aquilo que você tem por dentro.

Cegos, surdos...
não enxergam, não escutam.
Mas, nas palavras diversas,
eles são iguais,
podem sentir...
e é nisso,
que eu acredito até o fim.

Jones Barreto


Visitantes Online