terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O que eu vou dizer? [*]



Quando alguém te faz uma pergunta...
Você dá a ela a sua resposta ou você diz o que ela quer ouvir?
Será que dizer o que ela gostaria de ouvir lhe fará bem?
Será que nossa verdade lhe fará bem?ou lhe fará mal?

Às vezes, penso um pouco sobre essa pergunta e na resposta que darei a ela. Para mim, é complicada respondê-la. Por isso, não vou me exitar. Apenas deixarei essa questão. Queria saber um pouco sobre o que as pessoas pensam e/ou falariam diante de uma simples pergunta, de um amigo, de um parente ou de um desconhecido. Estou quase tendendo a "dar a minha resposta". Mas, confesso que tudo pode mudar conforme a situação, inclusive o que eu vou dizer.
Um grande amigo me questiona...
Eu respondo com o que eu quero dizer ou com o que acredito que ele gostaria de ouvir?
Será que respondo o que ele gostaria de ouvir para lhe deixar bem, mesmo sabendo que mais a frente, aquilo poderá lhe deixar muito mal?
Mais uma vez, penso que estou inclinando-me a "dar a minha resposta".
E até penso em responder com outra pergunta. Assim, ele mesmo poderia encontrar a resposta...
Eu poderia responder: "O que você quer ouvir? A minha verdade ou a que você quer ouvir?"
Dessa forma, acredito que não é tão simples assim.
Então, o que eu vou dizer? E o que você vai dizer?
A resposta que tenho agora é: vou pensar e cuidar um pouco disso...
Jones Barreto

5 comentários:

Suzi Montenegro disse...

.

Olá, Jones!

Seja muito bem-vindo!

Além dos 'Retalhos', tenho outro blog com cartas, crônicas e contos completos, se desejar, faça uma visita lá.

Quanto a sua postagem/pergunta, respondo desde já: Sou de dizer a verdade, talvez esse seja meu maior defeito, pois percebo que as pessoas não costumam aceitar bem a verdade, preferem a hipocrisia. Esse meu jeito de ser já me causou muitos problemas, mas é assim que eu sou, fazer o quê?
Por coincidência, hoje postei em meu outro blog algo sobre o 'jeito de ser', não são palavras minhas, são trechos de livros que leio, sou péssima com as palavras. Não escrevo nem bilhetes.

Tem uma música do Oswaldo Montenegro que me identifico muito, exatamente por minha mania em dizer a verdade.

"Você me disse que sou petulante, né?
Acho que sou sim, viu? (...)

...e destruo sempre com minha palavra o que me incomodou, acho que é sim!

Como fere e faz barulho o bicho que se machucou, viu?"

Esse é um trecho da música, tenho postada em meu blog. Coleciono blogs. rsrs
Agora estou fazendo mais um, exclusivo da Clarice Lispector.

Ufa! Já falei demais, não? rsrs

Beijo

.
.

Esconderijo do Observador disse...

Obrigado, meu caro.
Tambem gostei do seu blog. Por isso o add.
Um abraço do observador.

Liebe und Rock disse...

Estava falando exatamente sobre este assunto estes dias, e ainda acho bem complexos, adorei o post.

Tem um selo pra vc no meu blog, passe por lá. Feliz 2011.

Lichtgestalt.

Thiago Brito-Essência Egocêntrica disse...

POst muito bom, assunto essencial e verdadeiro. Nossas respostas são muitos influenciáveis de acordo com quem as recebe..
Boa reflexão
abrç

http://essenciaego.blogspot.com/

Evandro Oliveira disse...

Jones,
Obrigado pela visita, que bom que voltou, e voltou com um texto brilhante, digno de editorial da folha, e não falo brincando não.
Estou um pouco sumido também, pois assumi novos desafios profissionais, mas sempre tento, mesmo na madrugada,ter um tempinho para visitar os blogs amigos e postar alguma coisa interessante no sabor da letra.

Abraços e boa semana!

Visitantes Online